➤ Como surgiu a ideia de criar a MNT?

A iniciativa /MNT surgiu em 2008 do interesse de três mulheres integrantes da comunidade de usuários de uma distribuição do Linux, o Debian. Percebendo a baixa participação feminina na comunidade, decidiram criar um grupo de usuárias do Sistema Operacional. Nesse primeiro  momento se deram conta que a quantidade de mulheres usuárias do Debian era tão pequena, que o alcance do grupo seria muito restrito, então decidiram expandir para um grupo de mulheres e Software Livre. Esse grupo nunca chegou a ser criado, já que a ideia amadureceu para o /MNT, mulheres na tecnologia de forma mais geral. O grupo se constitui atualmente de espaços de discussão online por meio de lista de emails e grupo no facebook, e também organiza todos os anos um encontro nacional.

➤ Muitas mulheres trabalham com tecnologia hoje?

Mulheres que ocupam posições nas carreiras de TI são minoria, somando cerca de 19% de acordo com dados da PNAD de 2009. Essa desvantagem numérica se deve em grande parte por essas expectativas em relação a profissão dos indivíduos, em que as ciências duras e a tecnologia, áreas que demandam raciocínio lógico-matemático, são vistas como naturalmente masculinas, enquanto mulheres são levadas a escolher carreiras dentro de guetos profissionais femininos (educação e cuidado).

Porém a área de TI traz consigo uma peculiaridade, dentro do universo das carreiras dominadas por homens atualmente. A ciência da computação adquiriu status de área essencial principalmente a partir da popularização dos computadores pessoais e da internet. Em um mundo que depende essencialmente da comunicação online, as carreiras de TI gozam de alto status ocupacional, o que até a década de 1990 não era uma realidade.

➤ Existe preconceito com as mulheres que trabalham com TI?

Nem sempre o preconceito é notado, mas para permanecer nas carreira, muitas mulheres precisam abrir mão dos signos de feminilidade, porque que são lidos como inferiores. Há muitas vezes o sentimento que devem se tornar “o caras” para obter respeito do grupo. Isso pode fazer com que a mulher abra mão da própria identidade para sobreviver na área.

➤ A quem se destina o grupo?

Configura-se como um espaço que serve a várias finalidades, sejam elas exclusivas do meio online, sejam aquelas que extrapolam para o mundo offline. É um espaço de diálogo entre mulheres que passam por dificuldades semelhantes no trabalho, e podem se apoiar mutuamente; também para a discussão de gênero e feminismo; para tirar dúvidas sobre ferramentas e desenvolvimento; co-criação de projetos de pesquisa e extensão; discussão de novas tecnologias; divulgação de oportunidades de trabalho e de palestras; fazer novas amizades e contatos profissionais e aprender novas habilidades pessoais e profissionais de modo geral.

➤ Quantas pessoas fazem parte da /MNT?

A /MNT se configura muito mais como rede de relações do que como um grupo fechado. Essa rede é composta de nós, as pessoas, que se relacionam entre si e também com outros grupos ativistas ou de trabalho. Uma das características disso é o fato de não existir um número específico de participantes. O grupo possui integrantes em diferentes meios de comunicação. O nosso primeiro canal foi a lista de discussão no googlegroups que hoje possui quase 400 integrantes. Outro meio que usamos muito para trocar ideia e divulgar ações, não só do /MNT mas de parceiros, é o grupo do facebook, com 2300 pessoas. Além de seguidores no twitter e fã page (@mulheresti ).
O grupo é regido por um conselho gestor: Andressa Martins, Claudia Melo, Luciana Oliveira, Danielle Gomes, Cleiviane Cardoso.

Alguns canais:
Twitter: @mulheresti
Grupo no Facebook: http://www.facebook.com/groups/mulheresti/
Site: www.mulheresnatecnologia.org
E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

➤ A /MNT pode ser considerada uma iniciativa feminista?

Sim, somos um grupo feminista, em busca de equidade de oportunidades no mercado de trabalho.

➤ Quais são os principais passos para uma estudante com interesse em tecnologia conhecer mais qual área quer perseguir?

1º passo - Entender melhor o que a motiva estar na TI, conhecer estes valores pessoais que colaborarão na decisão da área e da empresa a trabalhar;
2º passo - Pesquisar sobre as áreas possíveis de atuação, como desenvolvimento, banco de dados, segurança, processo, qualidade, entendendo o que faz “brilhar os olhos” e que encaixa melhor no seu perfil profissional;
3º passo - Conhecer as empresas que se destacam nas áreas pretendidas percebendo se adaptaria as culturas e ao modo de gestão das mesmas. Bem como, a forma como o mercado as reconhece.

➤ Qual o impacto que a industria da TI sofreria com maior participação feminina?

O maior número de mulheres atuando nas empresas resultaria num ambiente com maior diversidade de profissionais. Este tipo de ambiente traz inúmeras vantagens empresariais, podemos citar:

  • Fator crítico para o sucesso dos negócios: As políticas de diversidade incrementam a competitividade, ao possibilitar às empresas usufruírem de todo o potencial resultante das diferenças positivas entre seus empregados.
  • Maior adaptação ao perfil dos clientes: As empresas com diversidade têm melhores condições de colocar seus produtos e serviços no mercado, atendendo a consumidores cada vez mais diferenciados.
  • Produtividade melhorada e rotatividade reduzida: Um ambiente baseado na diversidade tende a ser mais estimulante e produtivo, favorecendo a elaboração de novos projetos e soluções. A valorização da diversidade contribui para a obtenção de um clima positivo que, pelo combate à intolerância, estimula a cooperação e a sinergia entre os profissionais da organização em torno de seus objetivos comuns. Com isso, cria-se um ambiente que reforça os vínculos dos funcionários com o trabalho e sua identificação com a empresa, ajudando a gerar idéias novas e a aumentar rendimentos. Esta atenção à.
  • Maior flexibilidade e resilência: Uma cultura organizacional pluralista favorece a adaptação a mudanças. Incorporações, fusões e desmembramentos de empresas, bem como à terceirização de operações, são processos que muitas vezes impõem a convivência de grupos com diferentes culturas e particularidades. Uma política de promoção da diversidade pode tornar a empresa mais flexível, aumentando sua capacidade para se adaptar a novas situações.
  • Imagem corporativa valorizada: Se a diversidade for um atributo característico das atividades da empresa, tornando-a conhecida como um bom lugar para trabalhar, com um ambiente aberto e inclusivo, ela pode agregar qualidades positivas à sua imagem no mercado. É crescente a tendência de valorização de marcas e bens produzidos por organizações que projetam uma imagem pluralista e de responsabilidade social.